segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Entrevista com Múcio Teixeira

E eu conversei com o Múcio Teixeira. Um nome de peso do rádio em Minas. Tive o privilégio de trabalhar com ele, bem no meu começo na Rádio Cidade. Lembro disso como se fosse ontem. Gincana da Cidade rolando na Praça do Papa e toda a equipe lá naquela adrenalina.
Bom, confiram esse papo com a história e opiniões de mais um grande profissional que atualmente é Coordenador Artístico da Rádio Alvorada em BH.


1)Conta prá gente como foi seu início no rádio e por quais emissoras você ja passou?
Comecei aos quinze anos na Rádio Cultura de Divinópolis. Na época, 1976, era a única emissora da cidade. Como meu pai tinha sido locutor esportivo lá durante muitos anos isso facilitou a abertura de portas. Também fui apadrinhado por um dos apresentadores mais carismáticos de lá, o Ailton Baptista, popular Batistão. Depois de lá começou minha caminhada: Rádio Jornal do Brasil, Rádio Cidade, TV Manchete, Rádio Guarani, Rádio Alvorada (quatro vezes), Rádio Extra (duaz vezes), Rádio Eldorado, TV Minas (quatro vezes).


2)A Rádio Cidade, é um capítulo a parte na sua vida. Tanto ouvintes, como profissionais do rádio sempre lembram de voce. É muita coisa prá recordar nestes bons tempos ao lado de Eugênio Magno, Paulo Roberto, Jorge Márcio, Edson Aquino, Bete Maia, Elisa ?
Foi um período muito marcante. É aquela velha história de estar na hora certa, no lugar certo e com as pessoas certas. 1981, quando tinha 21 anos, o Grupo JB era uma potência e resolveu implantar a Cidade também em BH. Ivan Romero Scoralick veio do Rio prá montar a equipe e fez muito mais que isso. Foi profissional, pai, irmão, conselheiro espiritual etc Tínhamos um espírito de equipe muito forte. Belo Horizonte era uma cidade grande e encantadora e totalmente aberta ás novidades. Foi mágico e a gente no fundo sentia isso, que estávamos participando de uma pequena revolução no rádio e, sem falsa modéstia, nos costumes mineiros.

3)Dizem, que muitos profissionais que hoje estão no mercado, principalmente os locutores, desde cedo já tinham seus locutores preferidos. Com você foi assim?? E qual rádio você ouvia e era um fã antes de se tornar um profissional?
Influenciado pelo meu pai, quando criança, eu era fanático por futebol e gostava e imitava todas as feras dos anos 60: Jairo Anatólio Lima, Jota Júnior, Waldir Amaral, Fernando Sasso. Depois, na adolescência, o futebol ficou em segundo plano e a paixão pela música explodiu. Eu era vidrado na Rádio Mundial e na JB do Rio. Meus ídolos dessa época eram Big Boy, Dirceu Rabelo, Luis Carlos Saroldi e Eliakim Araújo. Tive a sorte de, por alguns meses, ser companheiro de empresa do Saroldi e do Eliakim. A gente recebia vários programas da JB do Rio prá exibir em Belo Horizonte. Eu ia á loucura com a classe, o conhecimento, a elegância do Eliakim no programa Noturno entrevistando os maiores nomes da música brasileira

4)Atualmente você coordena a Rádio Alvorada, uma emissora com uma plástica muito bacana e agradável. Quanto tempo você você está na rádio?
Tenho uma história longa na Alvorada. A primeira vez foi em 1984 e fiquei menos de um ano. Voltei em 86 quando o Bessa, que trabalhava comigo na Cidade, assumiu a Superintendência e me chamou. Era uma seleção de apresentadores de primeiríssima: Beth Seixas, Paulo Leite, Carlos Holanda, Samuel Chaves. E a proposta do Bessa era muito inovadora para aqueles tempos: uma rádio adulta, com músicas de bom gosto, mas com muita informação e menos careta como as outras que existiam. Emplacou de cara!

5) Além do rádio, você está na Rede Minas?
A Rede Minas é um outro capítulo importante prá mim. Tinha tido uma pequena experiência televisiva nos anos 80 com o Breno Milagres e a TV Aeroporto. Mas no circuito normal considero minha estreia em 2001, no Jornal Minas, ao lado da Sandra Gomes. Em 2003 passei a apresentar sozinho. Em 2008 voltei como Editor e Apresentador do Emprego & Renda. E em novembro de 2009 fui chamado prá substituir o Hugo Alessi no Opinião Minas. Tá sendo ótimo. Somente eu e a produtora Ana Cláudia Ulhôa, que aos 21 anos já mostra que vai ser uma excepcional jornalista, fazemos tudo prá levar uma entrevista interessante todos os dias as 08:45.


6)Voltando um pouco a época da Rádio Cidade..O que você mais sente saudade daquele período?
De tudo: da rádio, que ficava num dos lugares mais lindos de BH, o Mirante das Mangabeiras; da equipe, que só tinha grandes profissionais e todos muito amigos; da capital mineira daqueles anos, sem a violência e os excessos de trânsito, especulação imobilária etc; dos movimentos musicais que pareciam explodir a cada dois anos.


7) Tecnologia. Ela chegou e ajudou o rádio. Mas você acha que com essa chegada, perdeu-se um pouco aquela coisa do locutor caprichar numa passagem, viajar mais no horário, etc? A coisa ficou muito mecânica?
O que acho pior no avanço tecnólogico é que muitos empresários do meio passaram a achar que gente é dispensável. Você tem hoje rádios transmitindo pro Brasil inteiro a partir de Rio ou São Paulo e que não tem ninguém em Belo Horizonte ou em outras praças. Mas vejo que essa deturpação do meio está cada vez com menos adeptos.

8) O que diria sobre a profissão, para os mais novos na carreira?
Estudar, aprender, viver novas experiências o tempo todo. E não esquecer nunca que do outro lado existe uma pessoa que merece e tem de ser tratada com o máximo respeito.

9)Alguma história engraçada do rádio prá contar?
Várias. Uma noite, em 81, eu e Alexandre Horta, que foi o primeiro Coordenador da Cidade, voltávamos de uma festa com alguns uísques na cabeça e de moto! Lei Seca era um futuro muito distante naqueles tempos. Eu estava na garupa. No cruzamento da Afonso Pena com Av. Brasil o sinal fecha e a moto apaga. Descí para facilitar o Alexandre fazer a geringonça pegar. A moto ligou, o sinal abriu, ele deu partida e foi embora sem notar que eu havia descido. Fiquei lá parado durante uns bons dez minutos me acabando de rir. Ele reapareceu andando bem devagar e procurando onde eu deveria ter me espatifado no asfalto . Disse que andou quilômetros falando sozinho e só estranhou quando não teve resposta na terceira ou quarta pergunta que me fez. Até o Alexandre morrer, em 89 num acidente de avião quando trabalhava na campanha do Collor, a gente sempre lembrava e caia na gargalhada com essa história.


10) Prá finalizar, o que o Múcio ouve e assiste?
Em 1986 fui mandado pelo Acílio Lara Resende, chefe da sucursal do JB em Belo Horizonte, prá passar uma semana com o Carlos Niderauer em Porto Alegre. O objetivo era que eu aprendesse a fazer rádio, já que era muito jovem e tinha acabado de assumir a coordenação da Cidade na capital mineira. O Nide era já uma figura lendária no rádio gaúcho e brasileiro pelo belo trabalho que fazia em POA. Levei um walkman e durante toda a viagem ficava ouvindo as rádios de todos os lugares que passava nos três aviões que tomei até chegar lá. Quando voltei contei isso pro jornalista Gustavo Gazinelli que sentenciou: você é um radiota! Ele tinha razão. Só que, com o tempo, continuei radiota e virei também videota. Ouço e vejo tudo, especialmente esporte, noticiários e filmes, compulsivamente.

24 comentários:

  1. Parabéns Marquinhos pelo Blog. Sempre acompanhei o trabalho do Múcio Teixeira. Uma marca registrada da famosa CIDADE FM. E hj no comando da Alvorada podemos orgulhar de um grande profissional de Minas.

    ResponderExcluir
  2. Excelente entrevista, apesar de eu ser mais fã do Eugênio Magno! MAs Múcio tem talento e história pra contar! Que este blog continue existindo por muito tempo! Viva!
    Parabéns Marquinhos

    ResponderExcluir
  3. Por que vc não posta fotos??????Ficaria mais interessante!

    ResponderExcluir
  4. GRAnde entrevista desse blog. Acompanho o Mucio todo os dias a tarde. É o melhor programa de rádio de Minas!! Parabéns para os dois. Mas tambeem acho que deveria ter ao menos uma foto.

    Alex

    ResponderExcluir
  5. Eduardo Goncalves de Carvalho12 de março de 2010 12:24

    Maquinho, meu Brother parabém pelo Blog ÓTIMO CONTINUE ASSIM!!! Mais nesse momento não quero fazer um comentário e sim uma sugestão não tem como vc fazer uma emtrevista com o homem da voz de lixa Nº ZERO Sr. Jorge Marcio Aquele mesmo da cidade, 98, Extra e Alvorda??? Por onde sera que essa fera anda????
    Grande abraço Eduardo

    ResponderExcluir
  6. Também sou fã do Múcio e adepto da sua forma de locução. Sou locutor e me inspiro muito nele ao fazer minha locução. Parabéns Marquinhos pela entrevista e parabéns ao Múcio pelo profissionalismo.
    Edilson Leandro de Leandro Ferreira/MG

    ResponderExcluir
  7. Gostaria que voce repetisse no Domingo Especial Alvorada,o especial do grupo A-ha.Ouvi uma vez e gostei muito,inclusive as musicas ineditas...

    Só ouço Alvorada !
    Meu e-mail é flaviaflaviaa@hotmail.com

    Obrigado !!!
    Flávia
    15/09/2010

    ResponderExcluir
  8. Grande locutor o Múcio Teixeira. Bela voz mineira!!!

    ResponderExcluir
  9. MUCIO VC REALMENTE E MARAVILHOSO

    ResponderExcluir
  10. Bacana a sugestão da entrevista com Jorge Márcio, um dos dinossauros do rádio.

    A voz dele ainda está no ar, na Rádio Alvorada.

    ResponderExcluir
  11. POR QUE NÃO OUVIMOS MAIS A BELA VOZ DO MÚCIO NA ALVORADA??? O QUE HOUVE? ELE SAIU DO AR? MARQUINHOS, TENTE DESVENDAR ESTE MISTÉRIO PRA GENTE!!!

    ResponderExcluir
  12. cara eu acompanho o mucio e faz um tempoa tem muito locutor bom mas vou te falar uma coisa o mucio pra mim e dos melhores locutores de bh nao dismerecendo os outros principalmente fazedo flash memors bom dimais

    ResponderExcluir
  13. MARQUINHO, POR QUE NÃO OUVIMOS MAIS O MUCIO NA ALVORADA? POR FAVOR NOS RESPONDA. AGUARDAREI.

    ResponderExcluir
  14. Marquinho,a competência e profissionalismo do Mucio são inigualaveis.Parabens pelo brilhante jornalista que ele sempre foi.

    ResponderExcluir
  15. GRAAAAANDE MÚCIO. BELA VOZ E UMA SIMPATIA. PARABÉNS PELO SEU PROFISSIONALISMO NA VALVORADA FM.

    ResponderExcluir
  16. Um locutor marcante e de grande talento. Muito bem escolhido pelo Bessa.

    ResponderExcluir
  17. Cleyton Alcântara9 de julho de 2012 12:02

    Grande talento mineiro, belíssima voz!

    ResponderExcluir
  18. O Mucio faz muita falta na tv. A inteligencia e a coragem de tocar em certos assuntos so ele tinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Claudia, ele faz falta na TV

      Excluir
  19. Grande profissional!! Sua voz e competência ficarão por muuuuuito tempo nas Rádios Mineiras.

    ResponderExcluir
  20. Múcio, não deixe nunca as Rádios mineiras, precisamos da sua voz marcante.

    ResponderExcluir
  21. Grande Múcio, tive o prazer de trabalhar com ele e dividir o quarto do hotel, em São Domingos do Prata em um corrida de motocroos onde o Múcio foi o locutor da corrida ???
    Antonio Gallo ( Dragão).

    ResponderExcluir
  22. Parabéns Múcio Teixeira. Acompanho o seu excelente trabalho em MG. Me lembro bem de sua passagem pela Alvorada e Rádio Cidade. As gincanas eram fantásticas. Ainda estão vivas em minha memória. Aproveitando, qual era a vinheta das gincanas?

    Abraços

    Rodrigo Speziali

    ResponderExcluir
  23. Marquinho, por que você não faz uma entrevista atualizada com o Múcio? Sei que ele tem muitas histórias na sua trajetória nas Rádios Belorizontinas. Fica a dica.

    ResponderExcluir